17:00 H : 9ª comunicação

Milagros Flores Roman

ICOFORT

NOTA BIOGRÁFICA

Licenciada em História pela Universidade de Navarra (Pamplona, Espanha), é especialista em Património Militar e Fortificações do Caribe. Tem desenvolvido trabalhos de organização e implementação de Arquivos Institucionais e Museus em Porto Rico, Estados Unidos e nas Ilhas Virgens.

Presidente do ICOFORT- Comité Científico Internacional do ICOMOS para as Fortificações e o Património Militar,desde 2008, cuja função central é fornecer apoio científico à UNESCO, no âmbito da Convenção do Património Mundial para as matérias relacionadas com o património militar. Especialista em Fortificações, desenvolvendo trabalhos quer para a UNESCO quer para o ICOMOS – International Council on Monuments and Sites, sendo que neste contexto é representante do  ICOMOS nos EUA onde exerce também funções de membro externo do respectivo conselho executivo.

Em 1998 foi agraciada com o Prémio de Excelência em Interpretação da Região Sudeste pela publicação da obra “Eighteen Century Caribbean and the 1797 British Attack to the Caribbean”.

Em 1999 foi agraciada pelo Ministério da Defesa Espanhol com a Cruz Branca de Mérito Militar do Exército “pela sua extraordinária contribuição para a identificação e inventário de documentos existentes nos arquivos espanhóis  relacionados com a Guerra Hispano-Americana”.

SINOPSE

A presença das Fortificações será sempre uma parte da nossa herança. A sua preservação ainda hoje é um grande desafio.

Em muitos casos, as Fortificações representam os locais onde pessoas viveram e trabalharam durante centenas de anos. A sua presença moldou as comunidades, uma vez que a sua localização era estrategicamente afectada pelo desenvolvimento das vilas e cidades fortificadas e muitas vezes levavam à sua expansão. Constituíem um elemento importante para a compreensão do desenvolvimento social e económico das comunidades, cidades, países e até regiões.

Para muitas pessoas em todo o mundo, a herança das fortificações é uma fonte de orgulho assim como um marco cultural da nossa história ancestral.

As fortificações representam não só a genialidade daqueles que as projectaram e construíram mas também um ponto crucial para uma melhor compreensão da história local e das grandes alterações culturais que ocorreram durante a sua construção.